Me Afino em Acordes Alterados
Zelia

Duncan
"Não me façam ser o que não sou, não me convidem a ser igual porque, sinceramente, sou diferente." (Clarice Lispector)
Sou como você me vê.
(...)Às vezes sentava-me na rede, balançando-me com o livro no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo.Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com seu amante (...)
Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania, Depende de quando e como você me vê passar.(...)" Clarice Lispector

terça-feira, 24 de abril de 2018

Absorvendo a Vida como Sei Ser.



Eu sempre busquei Observar  antes de qualquer outra  coisa, pois entendia ser aprendizado ver para somente depois tirar conclusões.
Entretanto a vida tem me mostrado todo tempo em letras garrafais e através de fatos concretos estar equivocada  sem sombra de dúvida alguma.
Lamento de verdade,não o tempo perdido observando e sendo fiel a minhas crenças.
Mas sim os seres serem assim paradoxais se mostrando distorcidos enquanto requerem dos outros outro tipo de ato.
Lamento.
Lamento e Lamento.
Mas sou boa em bambear e não cair.
Sou meio bambu, daqueles que se curvam mas não quebram.
Todavia em meu peito e mente a decepção não deixa de marcar presença.
Um dia a ingenuidade tardiamente me deixou, ainda assim segui tentando manter minhas crenças até o último instante. 
Felizmente minha escrita não foi comprometida, poderia facilmente ter sido, mas não foi.
Ando praticando um versos bíblicos com segurança: " De que serve a alguém ganhar o mundo  e perder a vida".
 Eu quase me perdi de mim mesma. 
 Eu quase comprometi meu crer.
 Eu quase dei mais valor do que fui valorizada.
Amo minha vida.
Amo ser quem Sou.
Amo ser como Sou.
É lindo ver a Vida assim desse jeito:
Observando e Absorvendo a Vida que é Boa e Bela Sim, basta sabermos quem somos e para que
aqui estamos.
CatiahoAlc./Reflexod'Alma

Meu Livro Novo!Informações pelo email;catiaho@hotmail.com

Meu Livro Novo!Informações pelo email;catiaho@hotmail.com

reciprocidade

Você que vai, foi ou está no consultório
médico. Você que ri e chora tendo vez
que chora mais do que pode sorrir tem
mais é que vencer a força do tempo que
age sobre todas as coisas e se possível
transformar o imutável.
Um minuto de felicidade deverá ser
transformado ou entendido como uma
vida inteira de alegria e, se acaso o
pranto lhe chegar aos olhos, entenda-o
como chuva de verão que vem, molha um
pouco, eu sei, mas não perdura. Vem,
tempera a terra e vai embora.
Este momento em que você, ansiosa,
espera pelo diagnóstico do seu médico
não é pior do que um vento que sopra a
sua saia, desalinha os seus cabelos, beija o
seu rosto e segue em frente.
Não admita a ideia do sofrimento
antecipado ou, mesmo que doa à beça, não
sofra porque o hoje, mais cedo ou mais
tarde ficará no esquecimento do passado.
Ria, portanto, sofra se não morrer, mas não
chore porque a vida é bela e o mal não faz
sentido.

silvioafonso.

2209010