Me Afino em Acordes Alterados
Zelia

Duncan
"Não me façam ser o que não sou, não me convidem a ser igual porque, sinceramente, sou diferente." (Clarice Lispector)
Sou como você me vê.
(...)Às vezes sentava-me na rede, balançando-me com o livro no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo.Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com seu amante (...)
Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania, Depende de quando e como você me vê passar.(...)" Clarice Lispector

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

De Volta a Absorver o vento na face.

Depois da queda , confesso ter ficado com muitas manchar roxas pelo corpo
e com muitas dores, a cada dia que o cotovelo volta ao normal desinchando
e novamente deixando a ponta do osso novamente a vista, o que ficou machucado
por dentro nas nádegas, coxas, costa vão aparecendo e vamos cuidando, essa foi a
orientação medica, uma vez nada ter sido quebrado.
Vou ficar com medo até que os 60 dias de observação passe.
Nessa primeira semana de setembro fazem 30 dias e a contagem regressiva segue.
Na 2a feira eu voltei a fazer uma aula inteira de zumba e passei bastante mal depois
da aula e a noite. Porém devo prosseguir e para tal na 3a feira fiquei todo o dia deitada
de repouso.
Ontem 4a feira fiz teste andando de bicicleta, em um percurso pequeno, como não senti
nada nem depois e nem a noite  hoje pela manhã já fiz um percurso um pouco maior de
 30 minutos e para minha alegria hoje a noite recomeço a pratica de Yoga na mesma academia
que faço aula de Zumba.
É dessa forma que sigo agora Me Observando para voltar a levar minha vida corrida, agitada e
alegre de sempre.
Bom dia e Absorvamos o Melhor dele.
Catiaho Alc.
quinta-fera, 1 de setembro de 2016

Meu Livro Novo!Informações pelo email;catiaho@hotmail.com

Meu Livro Novo!Informações pelo email;catiaho@hotmail.com

reciprocidade

Você que vai, foi ou está no consultório
médico. Você que ri e chora tendo vez
que chora mais do que pode sorrir tem
mais é que vencer a força do tempo que
age sobre todas as coisas e se possível
transformar o imutável.
Um minuto de felicidade deverá ser
transformado ou entendido como uma
vida inteira de alegria e, se acaso o
pranto lhe chegar aos olhos, entenda-o
como chuva de verão que vem, molha um
pouco, eu sei, mas não perdura. Vem,
tempera a terra e vai embora.
Este momento em que você, ansiosa,
espera pelo diagnóstico do seu médico
não é pior do que um vento que sopra a
sua saia, desalinha os seus cabelos, beija o
seu rosto e segue em frente.
Não admita a ideia do sofrimento
antecipado ou, mesmo que doa à beça, não
sofra porque o hoje, mais cedo ou mais
tarde ficará no esquecimento do passado.
Ria, portanto, sofra se não morrer, mas não
chore porque a vida é bela e o mal não faz
sentido.

silvioafonso.

2209010